Notícias

Sistema de biometria facial começa a funcionar no transporte urbano de Juiz de Fora

Os ônibus e micro-ônibus do transporte coletivo urbano de Juiz de Fora já funcionam com nova tecnologia de biometria facial que faz o reconhecimento dos usuários dos cartões gratuidade,do cartão PCD e do de Bilhete Único. Este controle de segurança já estava autorizado,pelo edital de licitação, e agora está regulado pelo Decreto nº 13.171. Ele foi considerado um investimento indispensável pelas concessionárias para eliminar fraudes, evitando que usuários que precisam do beneficio e os que pagam passagem não sejam prejudicados pelo uso irregular dos cartões.

Durante um período de testes executados pelos consórcios, foram avaliadas as imagens de 44 mil usuários,sendo que em 4.103 casos foram constatadas não conformidades em relação ao cadastro original. A leitura da face (biometrial facial) já está substituindo os sistemas de leitura da impressão digital em ônibus, em todo o país, com muitas vantagens. Ela não exige qualquer procedimento do usuário, apenas que ele posicione-se corretamente para passar seu cartão no validador. A câmera instalada logo acima do validador já captura as imagens, que são analisadas posteriormente por sistema informatizado e comparadas aos dados já disponíveis no sistema de Bilhetagem Eletrônica. Os usuários do cartão PCD - que não estão obrigados a transpor a roleta, mas possuem autorização legal para desembarcar pela porta dianteira do veículo -, também deverão aproximar o respectivo cartão do validador para permitir a inspeção. A biometria facial, ao contrário da digital, não forma filas e não atrasa o embarque, além de não exigir qualquer ação extra do cobrador.

Com o início desta operação, o usuário também não precisa fazer nada específico em relação ao seu cadastro. Nas revalidações dos cartões de gratuidade, cada uma com sua periodicidade específica, já são renovadas as fotos tiradas na hora do procedimento e os documentos exigidos são os mesmos em qualquer cadastro ou renovação: CPF, RG(ou CTPS ou CNH) e comprovante de residência atualizado.

Penalidades e recursos

Se o sistema apontar irregularidade, haverá bloqueio do cartão do usuário em até 24 horas e este ficará suspenso por 30 dias. Se houver reincidência, a suspensão passa a ser de 180 dias. Não há constrangimento durante o processo. Apenas na viagem seguinte ao bloqueio, aparece no validador a informação de “cartão bloqueado”. Esta mensagem já existe entre as informações do validador, por outros motivos, e o cobrador também não agirá de forma diferente dos procedimentos atuais. Quando o validador não libera a roleta em função da mensagem, o usuário tem a opção de pagar passagem ou entregar seu cartão ao cobrador e seguir viagem. Posteriormente,o usuário deve se deslocar à sede do Cinturb (Espírito Santo, 296) para conferir o motivo do bloqueio.

Se o usuário discordar do bloqueio por motivo de uso indevido do cartão, ele pode recorrer da decisão.Para arbitrar sobre estes casos relativos à biometria facial ou para avaliar processos de reincidência pela terceira constatação de tentativa de fraude,está sendo nomeada uma Comissão Multidisciplinar formada por representantes dos Consórcios e das Secretarias Municipais de Transporte e Trânsito (Settra), de Educação e de Desenvolvimento Social.

O objetivo desta nova tecnologia é coibir fraudes. Em algumas cidades, já se constatou com esta tecnologia que elas podem significar até 20% do custo do sistema.  Há expectativa de que, com o controle efetivo do volume de gratuidade, haja um reflexo positivo para os usuários pagantes e para o sistema.

Sistema Biométria

As imagens capturadas no interior dos ônibus, no ato da validação do cartão, deverão ser processadas por sistema informatizado

Busca por linhas

Selecione uma das opções e digite o número, nome ou itinerário da linha.


Rua Espírito Santo, 296 | 36020-000 | Juiz de Fora | MG | Fone: (32) 3228 9700 - Fax: (32) 3228 9707

Handcom Agência Digital